O que é Metaverso?

19
7min de leitura

Imagine uma pessoa em pé na sala de estar, com um fone de ouvido VR preso ao rosto. A sala está escura, mas dentro do fone de ouvido milhares de mundos interligados estão brilhando.

O jogador pode encontrar um amigo, comprar roupas novas ou matar dragões. Eles podem até estar no trabalho. Nesse sentido, eles não são apenas um jogador: são um consumidor, uma identidade e um funcionário. Eles estão no Metaverso.

O Metaverso é muitas coisas para muitas pessoas. Mas na sua forma mais simples, é um espaço virtual onde o mundo físico e a internet se cruzam.

O Metaverso oferece uma experiência imersiva nesses mundos virtuais. Esses mundos podem ser construídos pelo usuário (como no Minecraft) ou construídos por uma empresa ou organização (como videogames ou sites corporativos).

Eles terão propósitos diferentes. Você vai trabalhar em um mundo e depois sair com seus amigos em outro.

Haverá campos de golfe virtuais, lojas, shows, academias, parques, escritórios, delegacias de polícia, você escolhe. É essa profunda integração do mundo real que diferencia o Metaverso da internet.

Galeria NFT da Sotheby's
Galeria NFT da Sotheby's em Decentraland

Nota: Metaverso é frequentemente capitalizado, pelo menos no momento. Talvez à medida que se torne tão arraigado em nossas vidas diárias quanto a internet – se não mais – o Metaverso seguirá o exemplo da internet e perderá a letra maiúscula.

Antes de mergulharmos muito fundo no futuro, um pouco de história. O termo Metaverso foi cunhado pela primeira vez no romance de 1992 de Neil Stephenson, Snow Crash.

No livro, o Metaverso existe ao longo de uma única estrada que percorre toda a circunferência de um planeta virtual. Uma corporação chamada Global Multimedia Protocol Group é proprietária de todos os imóveis virtuais.

Os usuários podem escapar e explorar o Metaverso usando um fone de ouvido VR pessoal ou, para aqueles que não podem pagar, por meio de um terminal público granulado em preto e branco.

Os usuários são julgados pela sofisticação de seu avatar e obter um bom requer dinheiro ou conhecimento técnico. Já estamos nos deparando com duas considerações importantes apresentadas pelo Metaverso: propriedade e acesso. Mais sobre isso mais tarde.

Second Life é outra plataforma intimamente ligada à ideia de um Metaverso. É uma plataforma que permite que qualquer pessoa se inscreva, crie um avatar e participe de uma vida virtual.

Os Second Lifers criam e trocam mercadorias, constroem casas, realizam trabalhos, fazem festas e muito mais. A plataforma ganhou atenção popular em 2006, quando surgiu que um jogador havia se tornado um milionário do mundo real com apenas um investimento inicial de US$ 9,95. A jogadora – chamada de Anshe Chung no jogo – acumulou sua fortuna principalmente negociando imóveis virtuais.

Embora a base de usuários do Second Life tenha atingido o pico há mais de uma década, ela teve uma influência inegável no que imaginamos quando pensamos em mundos virtuais. Então, como ele se compara ao Metaverso que vem ganhando atenção recentemente?

Uma reunião no Second Life
Uma reunião no Second Life. Fonte: HyacintheLuynes

Em primeiro lugar, você joga Second Life em uma tela 2D. O Metaverso foi projetado para ser imersivo, com fones de ouvido VR e controladores de movimento guiando seu avatar no mundo virtual.

E está inextricavelmente ligado ao mundo real. Você passeará pelos corredores do Louvre em vez de olhar para uma representação pixelizada em uma tela; você experimentará uma jaqueta nova em uma loja virtual de roupas em vez de ler o guia de tamanhos no site da loja.

Também haverá galerias de arte completamente novas que aproveitam os recursos expandidos do Metaverso de maneiras novas e lojas de roupas que não vendem roupas físicas, mas as últimas modas para seu avatar virtual.

A Galeria Nyan Cat
A Galeria Nyan Cat em Decentraland

O Metaverso oferece a qualquer pessoa com conexão à Internet a chance de explorar, criar e ganhar dinheiro real.

O jogo baseado em blockchain Axie Infinity teve um grande crescimento durante a pandemia, principalmente nas Filipinas. Muitas pessoas complementaram ou até substituíram sua renda do mundo real com o dinheiro que ganharam criando, lutando e negociando eixos - criaturas semelhantes a Pokémon que são representadas por um NFT único.

Um jogador até comprou duas casas com seus ganhos, demonstrando o poder do Metaverso de afetar significativamente a vida de pessoas que, de outra forma, podem não ter oportunidades no mundo real.

O Metaverso é uma expansão e melhoria de muitas maneiras na Web 2.0, a era do desenvolvimento da Internet que viu o surgimento de plataformas como Facebook, YouTube, Dropbox, Skype e Shopify.

Essas plataformas nos trouxeram redes sociais, comunicação barata e fácil, armazenamento e serviços em nuvem, comércio eletrônico e muito mais.

Aqui é onde o Metaverso se baseia na Web 2.0, incorporando tecnologias associadas à Web3.

Os usuários podem ser recompensados ​​por seu envolvimento com a plataforma na forma de tokens que são facilmente conversíveis em outras moedas criptográficas ou fiduciárias. Ou eles podem criar, ganhar ou comprar itens no jogo que são representados como NFTs e podem ser levados com o jogador para outros mundos.

Os jogos podem ser comprovadamente justos, graças à aleatoriedade criptograficamente verificável. A tecnologia Blockchain está entrelaçada no tecido do Metaverso de código aberto, dando aos usuários garantias de que eles nunca poderiam obter de empresas da Web 2.0.

No entanto, pelo menos uma dessas empresas – o Facebook – está perseguindo agressivamente seus próprios projetos Metaverse. A empresa delineou sua visão para o Metaverso ao anunciar um investimento de US$ 50 milhões em pesquisa global e parceiros de programas para garantir que o mundo virtual seja “desenvolvido com responsabilidade”.

O lançamento do espaço de trabalho virtual do Facebook apresentou uma visão do Metaverso: como um espaço corporativo limpo para a realização de negócios.

Faz muito sentido que o Facebook tenha como objetivo aprimorar seus serviços existentes dessa maneira. As interações sociais seriam muito mais envolventes na realidade virtual do que via Facebook Messenger, e o Facebook Marketplace poderia se tornar o grande bazar do Metaverso.

Mas como é uma extensão do pensamento da Web 2.0 – não usa nenhuma das tecnologias descentralizadas que surgiram desde o lançamento da rede social – a visão do Facebook não captura todo o potencial de um Metaverso descentralizado e movido a blockchain.

Para isso, precisamos recorrer a mundos como Decentraland. É fácil imaginar um futuro próximo em que, depois de sair do espaço de coworking virtual do seu trabalho remoto das 9h às 17h, você nem remove seu Oculus Quest (ou fone de ouvido Apple VR, segundo rumores de ter duas telas 8K) antes de ir para o incrível casa que você construiu em um dos muitos universos que juntos compõem o Metaverso.

Talvez você convide alguns amigos, talvez você tenha um encontro na cidade, talvez você fique em casa e cuide do seu jardim. O Metaverso conterá vários espaços para trabalho, diversão e tudo mais.

E blockchain torna o Metaverso mais justo e livre. Os habitantes são incentivados a criar mundos melhores porque são donos de suas criações e são recompensados ​​de acordo.

Quando seu potencial for totalmente realizado, o Metaverso pode ser o mundo virtual imersivo onde experimentamos a Web 3, assim como experimentamos a Web 2.0 em laptops e telas de smartphones.

Neste momento, o Metaverso ainda é mais uma ideia do que uma realidade (virtual). Há um punhado de mundos sendo construídos, os benefícios completos da tecnologia blockchain ainda não foram implementados e a maioria das pessoas ainda está lendo artigos como este, em vez de amarrar seus fones de ouvido VR e pular em mundos virtuais.

E ainda não há muitos mundos que oferecem uma experiência totalmente imersiva. Podemos ter alguns anos para esperar até que estejamos todos trabalhando, comprando e jogando no Metaverso.

Mas e se eu te disser que antes do Metaverso ganhar a notoriedade que está ganhando de 2021 pra cá, já existia uma plataforma com esta tecnologia?

Metaverso hoje

Uma plataforma baseada em avatares e mundos virtuais para as mais variadas atividades, como: Escritórios, Showrooms, Salas de Reunião, Concertos Musicais, Feiras, Salas de Aula, Lounge e muito mais. Sim ela existe e se chama Virtway Events.

A Virtway trouxe grandes e pequenas organizações para seu mundo virtual aberto e inclusivo. O Metaverse da Virtway está acessível hoje, de qualquer dispositivo, de qualquer lugar do mundo.

Os metaversos atuais e futuros são mais do que apenas um conceito de ficção científica. Eles aproximam as pessoas de formas mais imersivas, facilitando a interação humana e o engajamento no mundo virtual. 

As equipes remotas se conectarão ao seu escritório virtual e “sentarão” ao lado de seus colegas, onde poderão fazer brainstorming em tempo real, tomar café juntos e até participar de atividades interativas no mundo virtual. 

As barreiras físicas para os alunos não existem mais, permitindo que eles estudem quando e onde quiserem. Os amigos podem se reunir para sair, jogar um jogo ou assistir a filmes. 

O que considerávamos ser exclusivamente encontros presenciais, agora são possíveis no mundo virtual. O Metaverso é e será um ambiente com tudo incluído, onde as pessoas podem fazer praticamente tudo.

Conheça a Virtway

Aqui na Vaz Produções também criamos Ambiente Metaverso. Utilizamos a tecnologia de passeios virtuais livres, interativos, com a navegação em grupo de pessoas. Compartilhando voz e câmera, pessoas distantes fisicamente podem interagir dentro de um mundo virtual.

Se você deseja experimentar gratuitamente, a tecnologia mais comentada no momento, entre em contato conosco agora mesmo.

Se este artigo foi útil para você deixe seu like. Se você conhece outra plataforma que já esteja explorando a tecnologia Metaverso deixe nos comentários.


23 Fev 2022

O que é Metaverso?

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

meta metaverso mundo virtual Realidade Virtual

Quem viu também curtiu

23 de Fev de 2022

D5 RENDER - New solution for high level rendering with Ray Tracing

22 de Mar de 2022

Lista de eventos para Arquitetos, Engenheiros e Construtores 2022  |  Listamos 25

23 de Fev de 2022

Considerações em Projeto de Interiores para Escritório

Bem-vindo! Qualquer dúvida chame aqui
Logo do Whatsapp